quarta-feira, 21 de abril de 2010

BIOGRAFIA

Nada melhor do que começar com uma biografia, escrita por mim mesmo, acompanhada das fotos mais remotas que tenho no meu acervo.

Wilza Carla Rossi de Brandizi Silibeli Soares Marques Pereira nasceu em 29 de outubro de 1938 em Niterói, Rio de Janeiro. Neta de político famoso no Rio, Wilza foi abandonada pelo pai aos 3 anos de idade e passou toda sua infacia dividida entre a mansão dos avós e o "quarto e sala" da mãe.
Em 1955, foi convidada na porta do Colégio Sion, por Carlos Manga para um bom papel no filme 'Chico Viola Nao Morreu' . Aceitou e filmou escondida dos avós, que a proibiam até de ter aulas de ballet. Quando o filme estreou Wilza foi expulsa do Sion, mas nao desistiu da carreira. No mesmo ano foi eleita Rainha dos Comerciários, foi escalada para o programa de TV "Familia Boa Aventura ", no cinema teve um pequeno papel em - " Eleanora dos Sete Mares" , e na produção italiana - 'Pani, Amore e Carnavale'. Tentou também o teatro "sério" na peça - Comédia do Coraçao - com Paulo Autran, mas acabou partindo para o Teatro de Revista que dava mais dinheiro e mais prestígio.
Rapidamente se tornou uma das principais vedetes do país, favorita de muitos políticos. Inicia a famosa coleção de noivos. Em 1957, 1958 e 1959 reina soberana como Rainha do Carnaval. A única na história do carnaval com 3 títulos consecutivos. Wilza já estava passando de voluptuosa para gorda na entrada dos anos 60, mesmo assim seu prestigio e beleza garantiram ainda muitos anos de rebolado. De 1960 a 1964se divide entre Brasil e Portugal, onde estrelou com muito sucesso montagens brasileiras como - "Boa Noite Lisboa" e "Pao, Amor e Reticencias".
Em 1962 Wilza faz sua estréia nos Desfiles de Fantasia do Municipal, com a fantasia -Rainha dos Vampiros - foi desclassificada porque a comissão julgadora considerou sua fantasia imoral. Wilza deu início as suas famosas brigas com o juri e os organizadores do Municipal, sempre que nao tirava o primeiro premio. No ano seguinte ganhou todos os primeiros lugares com uma fantasia em homenagem a Ari Barroso - Aquarela do Brasil - e dai pra frente, foi uma colecão de premios, na maioria das vezes, na categoria de originalidade, onde sempre foi imbatível !

Em 1967 participou da cultuada produção sueca (rodada no Rio) Palmeiras Negras, dos diretores Lassen Ligrend e Iulin Bohim, interpretando o segundo papel do filme, ao lado de Bibi Anderson. Estava entao com 133 quilos e faz uma cena totalmente nua. Apesar do filme ter sido muito comentado e censurado aqui no Brasil, trouxe um premio de melhor atriz no Festival de Palermo.
Já na década de 70, Wilza atuou em dezenas de produçoes do baratas da boca do lixo, alguns cults como - 'Os Monstros De Babaloo' de Elyseu Visconti, considerado o filme mais erótico produzido no Brasil nos anos 70 ( pré-explicito). Mas tambem teve participaçoes em filmes importantes do cinema nacional, (como 'Os herdeiros' de Carlos Diegues , ou ' Macunaíma ' e 'Querra Conjugal ' ambos de Joaquim Pedro de Andrade. )
Na TV participou de humoristicos como ' Balança Mas Nao Cai ' e algumas novelas na antiga Tupi, como : "Jeronimo, O Heroi Do Sertao " e "Assim na Terra Como No Céu". Mas foi em 1976 que teve seu grande momento na televisao brasileira, como Dona Redonda, um dos personagens surrealistas da novela 'Saramandaia' de Dias Gomes. Dona Redonda um dia explode de tanto comer e ainda deixa uma cratera no chao. Mas o público exigiu a volta de Wilza, e ela volta na pele de Dona Bitela, irmã gemea de Redonda. Em 1977, Wilza seria escolhida por Fellini para estrelar 'Casanova', onde desenpenharia o papel de uma mulher gigante, mas acabou nao rolando.

Em 1979 casa-se com o modelo Paulo Bezerra, já grávida de Paola Faieza Bezerra da Silva, que nasce 5 meses depois. Na década de 80 se firma como jurada do Programa Silvio Santos e Raul Gil. Em 1984 começa seus sérios problemas de saúde. Diabética com problemas de acido úrico, pressão alta, infecção urinária e trombose nas pernas, fica várias semanas internada e precisa da ajuda de amigos e artistas, (como Hebe Camargo, Silvio Santos e Roberto Carlos) para pagar suas contas no hospital .

Dai pra frente suas aparições foram diminuindo. Ainda teve participacões especiais em programas do Chico Anysio, na novela Cambalacho, e algums humoristicos da TV Bandeirantes. Mesmo com todos os problemas de saúde, continuou desfilando suas fantasias de carnaval como hors-concours.
Em 1991 fez na Globo a minisérie "O Portador" de Herval Rossano. Ao lado de Lafayte Galvao formou um casal dono de pastelaria e traficante de sangue. Tambem em 91, fez sua ultima participacao em novelas, na Rede Manchete em Ana Raio e Zé Trovao, no personagem Maria Gazolina. Em 1993 desfila no Municipal pela última vez - ' Recordaçao De Um Passaro', encerrando mais de 30 anos de uma trajetória de muito sucesso no mundo das fantasias.
Em 1994 os problemas de saude voltam com força total . Teve a vista atacada por uma catarata que a deixou praticamente cega, a artrose nos joelhos a impediu de andar, em 1995 foi internada as pressas com depressão aguda e a diabetes fora do controle. Ficou quase um ano na UTI e chegou a entrar em coma. O peso muito acima do normal - 190 quilos - complicou ainda mais a situação. Wilza esteve a beira da morte, perdeu a visão e parou de falar.
De lá pra ca, Wilza vem melhorando aos poucos, já operou a catarata e emagreceu 100 kg, hoje pesando na faixa dos 80 mas ainda esta numa cadeira de rodas , devido a falta de verba e também de coragem para implantar uma próteser. Hoje ela vive em Sao Paulo, na casa da antiga amiga Phedra del Cordoba. Ainda tem muita depressão, perdeu boa parte da memória e não consegue falar muito, sempre se emociona e chora. Provavelmente por constatar que num pais sem memória como o Brasil, hoje ela esta totalmente esquecida.






5 comentários:

WILZA CARLA FAN CLUB disse...

Nota 10!

maricelia disse...

muito bom a biografia, mostrou o quanto ela foi importante e que não foi reconhecida.

Grupo União Rio-Grandense de Informação disse...

Morremos Todos!!
Se desfaz a Beleza Efémera!
Se desfaz a Fibra Única Feminina!
Se desfaz o Sex Appeal Despretensioso!
Pois não há outra Mulher igual a Wilza Carla.
Em outras Mulheres inexiste o Feito com todas essas qualidades providas com toda a propriedade única de Wilza Carla.
Inexistirá em outros séculos uma Mulher igual á ela!
Pois em nossas mentes dolorosas por sua morte jamais se inolvidará o apresentado por sua imagem de Mulher.
Uma Mulher que se iniguala a outras mulheres do seu tempo.
Até os dias de hoje.
Podemos não mais vê-la.
Mas jamais esqueceremos.
Á sentiremos.
Quando Lembrarmos.
Ao Revê-la Em Filmes.
Ao Revê-la Em Novelas.
Ao Revê-la Em Programas.
Ao Revê-la Em Imagens.
Mas infelizmente não de volta nos seus Trabalhos.
Por sua morte ser provocada pela exclusão dos seus falsos amigos.
Não deram o seu devido valor.
Por desvalorizarem desmerecidamente.
Á definharam.
Até Morrer.
Mas a beleza é eterna.
A da Wilza Carla Também!!!

Anônimo disse...

Muito interessante a biografia da inesquecível Wilza Carla mas eu tenho uma pequena observação com relação a digitação do texto: Está horrível, faltam acentuações, pontuações em locais errados e outra série de erros.
É interessante que a pessoa faça um conferência antes da publicação para evitar esse tipo de erro.

correa disse...

adeus a uma grande artista bjos e vai com deus ....vc sera para sempre